24 fevereiro 2012

Fotofobia

Nem só de vida vive o homem
Nem só a luz é que nos leva
É nas trevas que podemos
Enxergar o que nos cega

É só no escuro que achamos
O que não podemos ver
E é só a morte que permite
O nascer e o renascer

É o pútrido que fertiliza
É o negro que catalisa
A catarse que se precisa
Para cantar e para foder

Só nas sombras confessamos
Quem somos e o que queremos ter
É na chuva que esperamos
O que queremos colher

É na noite que saímos
Do trabalho para o viver
E mesmo assim somos escravos
Da luz, do amanhecer.

Nenhum comentário: